Primeiro ano na NBCC 21


Está finalizado com sucesso o meu primeiro ano no curso de Civil Engineering Technology na NBCC Moncton. Estou nas férias de verão e em setembro começa o segundo ano.

O ano letivo vai de setembro a junho, e é dividido em três “terms”. Essa é a palavra em inglês para o período de aulas que tem e torno de três meses de duração. Nunca sei como traduzir isso, já tentei trimestre, mas acho meio estranho, então vou usar a palavra termo aqui, pois também significa período.

Toda a história de planejamento, desde a matrícula e o visto até o andamento do primeiro e segundo termos do curso já vem sendo relatados no blog, então vamos agora fazer um resumo de como foi o terceiro termo de aulas, fechando o primeiro ano e as expectativas para o segundo.

O terceiro termo começa em abril e termina em junho. É o mais curto de todos, só dois meses de aulas, e o mais corrido. Tentam encaixar matéria demais em pouco tempo.

A grade de horários ficou assim:

Schedule

Disciplinas Civil Engineering Technology – NBCC

STRC – Introduction to Structural Steel Design

SAAL – Technical Computer Applications

BTTB – Materials and National Building Code

COMM – Technical Writing and Research

MATH – Calculus Fundamentals

SVAR – Surveying Field Work

Para solicitar a grade de disciplinas ou outras informações específicas dos cursos, o melhor caminho é um email para os recruitment advisors. Os endereços estão em www.nbcc.ca/contact-us/recruitment-advisors.

Felizmente ainda consegui mais uma equivalência de disciplina, para “Calculus Fundamentals”. E com isso encerram-se meus pedidos de equivalência. No segundo ano não vai ter folga, vou ter que cursar todas as matérias. Vou repetir pra quem está vindo estudar: se já são formados, tragam seus conteúdos programáticos traduzidos do Brasil.

O primeiro ano de curso é comum para todos os alunos de engenharia e no segundo cada uma vai para a especialidade escolhida. A minha será “Architectural”.

Dicas pra quem está chegando:

Tentar solicitar o seguro de saúde do governo o quanto antes, para poder pedir ressarcimento do valor que foi pago antecipado para a NBCC. O pagamento do seguro de saúde privado é obrigatório no momento da matrícula (atualmente é C$600), mas eles reembolsam integralmente se a pessoa comprovar que tem outra cobertura depois.

Ficar atento às opções de bolsas de estudos no início do ano letivo. Existe mais de uma opção de bolsa para estudante internacional. No ano passado dois brasileiros foram contemplados. O período de aplicação vai geralmente até outubro e os cheques são entregues em janeiro.

Falar com a diretora sobre as opções de pagamento. Oficialmente os pagamentos devem ser feitos em duas parcelas, uma no no início do “fall term”, em setembro, e no início do “winter term”, em janeiro. Mas, dependendo d caso, pode ser possível criar um plano de pagamento mais flexível.

Solicitar a carteira de estudante no Student Union da NBCC: ela dá direito a 10% de desconto nos supermercados Superstore e Sobeys nas terças-feiras, e no Bulk Barn nas quartas-feiras, além de outras vantagens, mas essas citadas são as que eu mais uso.

A lista de material escolar é grande e cara. Tudo está a venda na livraria da NBCC e um monte de gente vai lá e compra tudo de uma vez só. Não vale a pena, dependendo do livro, mesmo estando na lista, nem é necessário comprar. Sendo necessário, há um monte de cartazes de livros e material à venda espalhados pelo campus, e também no Kijiji ou em grupos no Facebook.

Estrutura:

As salas de aulas e laboratórios são confortáveis e bem equipadas e o prédio fica aberto até a meia-noite para quem quiser ficar lá estudando. É tão confortável que, dependendo de onde a pessoa está morando, vale a pena ficar por lá terminando os trabalhos.

Todo mundo tem acesso à rede wi-fi e a todas as impressoras do prédio. Há impressoras, pacotes de folhas e toner disponíveis na nas salas de aula. Também há projetor e ar condicionado e os controles remotos, junto com os marcadores de quadro branco, ficam soltos em cima da mesa. Não vi nada disso sumir da sala no primeiro ano. Tomara que o Canadá continue assim.

Tem estacionamento gratuito e o ponto de ônibus fica bem na frente da escola.

Tem um refeitório e uma outra cafeteria pequena. A praça de alimentação abriga muitas mesas e há vários micro-ondas pra quem traz a sua comida de casa, o que é super comum. Enquanto o clima permite, também há mesas de piquenique pra quem quiser se sentar na rua. É bom aproveitar em setembro e início de outubro, porque depois disso, só em maio.

Ao lado da NBCC fica mais um dos “strip malls” de Moncton, conjuntos comerciais com lojas enormes e estacionamentos enormes. Ali há um supermercado Sobeys, que também é uma opção pra buscar o almoço.

Há prédios com apartamentos para alugar ao redor do campus de Moncton. É uma opção para poupar tempo e dinheiro com deslocamento. E há todo o tipo de comércio por aquela região.

Nos corredores do campus ficam os armários altos, que lembram escolas de filme. Há armários para todos, basta levar o seu cadeado. É ótimo não precisar ficar carregando material todo dia e não tem como ficar sem armário depois que chega o inverno — é muita roupa pra guardar — e dá pra deixar um calçado leve ali pra usar durante o dia, no lugar das “winter boots”. Mesmo tendo o armário, como a sala é sempre a mesma e todos tem lugar fixo, um monte de gente acha mais fácil deixar o seu material em cima da mesa mesmo. Ficam roupas, livros e material de desenho caros espalhados pela sala. Eu sou desconfiado e nunca deixo nada solto.

No inverno, mesmo quando está -20 graus, todo o prédio é climatizado e normalmente se anda com roupas leves por todo o campus.

Integração:

No início do ano letivo é marcado um almoço em que todos os estudantes internacionais são convidados. Eles explicam como algumas coisas funcionam no Canadá e ficam abertos para perguntas. É uma tentativa de integração e de deixar os estrangeiros mais a vontade. Alunos internacionais são considerados importantes para o crescimento da província.

Durante o ano acontecem várias feiras de empregos no ginásio do campus e eles também enviam os convites para as que acontecem em outros pontos.  É uma chance de começar uma construir a rede de contatos (networking) e estar preparado para a busca de empregos no final do curso. Recomendo ir em todas.

Atividades voluntárias também são incentivadas durante todo o ano. No terceiro termo há uma disciplina obrigatória sobre trabalho voluntário e uma atividade é agendada. No nosso caso fizemos um trabalho de pintura e limpeza em uma uma escola primária de Moncton.

Os colegas:

Na minha classe só havia canadenses, mas se vê muitos imigrantes circulando pelos corredores. Somente um era “francês”. As famílias francófonas por aqui não são chamadas “francophones” ou “famílias que falam francês”, eles simplesmente se intitulam franceses. A primeira vez que esse colega me falou: “I am French”, eu estranhei e perguntei na hora: “Ah tu não é canadense?”

Comigo, nunca percebi nenhum tipo de preconceito por parte de ninguém, nem na escola nem na cidade. Isso já faz parte da cultura canadense. Todos comentam que o Canadá é um país multicultural. Ser do Brasil em geral é considerado “cool”.

Como é esperado em uma turma de faculdade, estudei com um monte de adolescentes, e apenas alguns mais velhos e já com experiência de trabalho.

O povo é super educado e gentil, cada um respeita o espaço do outro e é fácil de se relacionar. Mas não é muito fácil de criar um vínculo ou uma amizade. Dizem que os canadenses são fechados, pode ser, mas acho que é a diferença cultural que torna tudo mais difícil. Fica complicado parar e bater um papo, trocar ideias por muito tempo. É um processo lento.

Preparação para apresentações e entrevistas:

Nos três primeiros termos tivemos uma cadeira de comunicação. O primeiro abordando gramática, o segundo estratégias de busca de empregos e o terceiro em técnicas de pesquisa, todos sempre combinados com escrita técnica, relatórios e apresentações.

É uma cadeira que ninguém gosta, todo mundo critica, mas que ajuda muito, porque tira todo mundo da zona de conforto. Todos tem que se expor fazendo apresentações, criando currículos, “cover letters”, fazendo “networking” e até simulando entrevista de emprego entre os colegas. No fim todo mundo percebe a importância e o crescimento pessoal que todas essas tarefas proporcionam. E para nós, recém chegados, é uma ótima oportunidade.

“Peer Tutor”:

Essa é uma oportunidade disponível pra, quem já é formado ou é muito bom em alguma matéria, ganhar um dinheiro durante as aulas.

Todos os alunos tem direito a um número de horas de monitoria, que são financiadas pela “Student Union”. Quando alguém busca por auxílio, um dos monitores da disciplina é indicado pra ajudar.  Eles pagam C$10 por hora de aula.

É preciso ser indicado por algum professor para ser monitor de alguma cadeira. Como no início nenhum professor me conhecia, eu peguei o formulário e fui conversar com o professor de matemática, cadeira da qual eu estava dispensado. Expliquei sobre a minha formação anterior em Engenharia Elétrica e ele aceitou assinar o formulário me recomendando.

Os professores:

Relacionamento tranquilo. A maioria incentiva participação e se dispõe a ser procurado fora do horário de aulas. O nível de profissionalismo é elevado. Como é comum no Canadá, seguem-se as normas, e todo mundo se sente respeitado.

Os planos de ensino são bem simples e seguidos a risca. Sempre há pelo menos 10% da nota reservado para “assignments” entregues, e 10% de participação ou um trabalho extra. Uma grande diferença em relação ao Brasil é que não há datas para as provas no plano de ensino. Eles vão marcando as provas conforme o andamento da matéria, geralmente com uma semana de antecedência, mas pode até ser menos tempo. É preciso estar em dia com a matéria.

Aqui quase não se usa caderno, todo mundo tem um “binder” (fichário), e alguns professores o exigem. Eles dizem estar avaliando habilidades de organização e “note taking”. Para os “assignments”, eles exigem uma pasta com grampo trilho, que por aqui se chama “duo-tang”, e os exercícios resolvidos em um bloco de papel timbrado do curso.

O idioma:

Uma preocupação natural de quem chega é como será a dificuldade com as aulas em inglês. Fica difícil de avaliar agora, porque já tive experiência de viver na Irlanda e na época eu lembro que tive muita dificuldade até me acostumar a língua. Depois cheguei até a trabalhar como professor de inglês no Brasil, mas o meu ponto fraco sempre foi justamente a compreensão e, no meu ponto de vista, o inglês aqui é como se fosse de um filme. Cada pessoa tem a sua forma de falar, uns mais difíceis, principalmente alguns adolescentes, cheios de gírias, mas na situação formal, como o caso de uma aula, o inglês é muito claro.

Não digo que no inicio será fácil pra quem não tem experiência anterior, mas é preciso perder a vergonha porque a participação em aula é importante e trabalhos em grupo e apresentações logo serão obrigatórias.

A cobrança de um inglês perfeito não é tão grande quanto se imagina. Todo mundo sabe que uma língua não é algo fácil de aprender e já está acostumado com estrangeiros. Diferentes sotaques também não representam inglês “bom ou ruim”. São simplesmente uma característica da pessoa e não influenciam desde que consiga-se comunicar claramente.

Era isso por enquanto. No segundo ano vou me dedicar a colocar mais imagens e vídeos e atualizar com mais frequência as experiências na NBCC, aqui no blog, na nossa página no Facebook e no canal do Youtube.

Deixe um comentário

21 Comentários em "Primeiro ano na NBCC"

Notificar
avatar
Andrea
Visitante

Muito bom o texto. Bem explicativo e tirou muitas dúvidas

Valmir
Visitante

Daniel, parabéns por mais esse passo!
Estou achando muito útil você disponibilizar a grade de matérias do curso. Assim, quem quiser fazer equivalência, não precisa solicitar/traduzir o ementário completo da faculdade no Brasil (em alguns casos, isso sai muito caro), basta solicitar apenas a ementa daquelas matérias que tenham mais a ver com as do curso da NBCC. Obrigado!

Alexandre
Visitante

Excelente post! Meu plano B caso não consiga ir via PNP é ir estudar e com certeza a NBCC é um lugar que tenho em vista por causa do preço da tuition e do custo de vida de Moncton!!
Parabéns Daniel, que venha o próximo ano!

Ed Almeida
Visitante

Muito bacana Daniel, obrigado pelo relato!

Adriano
Visitante

Olá Daniel, tudo bem? Seu blog foi um achado valioso pra mim. A meses eu procurava informações como as que você posta sobre NB, Moncton e a NBCC, por isso desde já agradeço à sua iniciativa. Eu já estudei na Irlanda também, fiz intercâmbio de inglês mas meu sonho sempre foi Canadá e estou na luta pra realizar esse sonho indo como estudante fazendo college. A NBCC pra mim, assim como pra outros apareceu como uma alternativa maravilhosa devido ao valor do tuition. Vou continuar acompanhando seus posts pois quero saber mais sobre NB, abraço e boa sorte na volta às aulas.

Mozart
Visitante
Rodrigo
Visitante

Opa Daniel, tudo bem?
Uma duvida:
O que você quis dizer com “Conteudo prográmatico” daqui do BR para possível dispensa de algumas matérias?
Isso seria o histórico?

Obrigado!

wpDiscuz