Primeiro emprego no Canadá 15


Comecei a trabalhar no meu primeiro emprego no Canadá no dia 30 de novembro, menos de três  meses depois da nossa chegada, que foi no início de setembro (chegamos 3 dias antes do início das aulas na NBCC). Vindo como estudante internacional, com permissão de trabalho de até 20h por semana, procurar emprego part-time sempre foi parte fundamental do planejamento.

Não sabia muito sobre o curso antes da chegada, nem a grade de disciplinas, nem o horário das aulas. Tinha uma ideia de que fosse ocupar só um turno com a faculdade, mas descobri que as aulas vão das 8:30h às 15:30h, ocupando quase o dia todo.

Com toda a correria da chegada, documentação, mais as aulas, minhas buscas estavam se resumindo a mandar alguns currículos por email ou pelos sites das empresas no início. Na internet é fácil de encontrar vagas abertas nos grandes grupos, como Superstore, Shoppers, Sobeys, Home Depot, Sears, Wallmart, Costco, Sportchek, Tommy Hilfiger, entre outras.

Antes de saber do horário das aulas, eu ainda tinha uma esperança de conseguir algum trabalho qualificado de meio turno, talvez usando minha experiência com Autocad, mas em seguida percebi que não teria chance. Estive também em contato com uma agência em que os consultores deixaram claro que era quase impossível. Sobre os empregos simples, me aconselharam fortemente a imprimir alguns currículos e levar pessoalmente nos estabelecimentos, pedir para falar com o gerente, me apresentar e deixar o CV.

Como tive uma experiência de barman na Irlanda e de cervejeiro caseiro do Brasil, achei que poderia me dar bem visitando alguns bares e pedindo para conversar com o gerente. A vantagem dos empregos em bares aqui no Canadá, é o fato de a gorjeta ser praticamente obrigatória. Eles já tem até opção de escolher o percentual de “tip” na máquina de cartão de crédito. Fui a alguns bares com meus CVs em mãos, tive algumas conversas promissoras, mas nada de retorno.

O emprego

Recebi alguns telefonemas, Shoppers, Home Depot, Sportchek, mas a vaga que surgiu foi no Superstore, supermercado que pertence ao grupo Loblaws, um gigante canadense.

A aplicação foi pelo site da empresa e o primeiro contato por telefone pelo próprio gerente da vaga, solicitando agendar uma entrevista pessoal, numa conversa rápida e direta. A vaga foi de replenishment clerk, também conhecida como shelf stocker, ou repositor de prateleira.

Depois de já ter passado por duas entrevistas completas por telefone, mais uma presencial em outro  processo, a contratação no Superstore foi muito tranquila. Na entrevista pessoal, foi praticamente responder umas 3 perguntas cujas respostas já estavam no meu CV, dizer que tinha interesse na vaga e já estava contratado. Foi tão simples que até fiquei na dúvida se ele estava me contratando mesmo, ou só sondando se eu queria a vaga.

É super comum a contratação de estudantes para essas vagas, e geralmente eles são bem flexíveis com relação ao horário e dias de trabalho. Muita gente pergunta como é a situação dos empregos por aqui, pelo fato de ser cidade pequena, preocupados em talvez não conseguir nem subemprego. A verdade é que há muitas vagas em serviço e se dedicando aparece alguma. Conheci outros 5 brasileiros recém chegados, estudantes e acompanhantes, e todos já estavam trabalhando no comércio.

IMG_7126

Atlantic Superstore

O salário é o “minimum wage”, salário mínimo, que hoje está em CAD 10.65/h. O pagamento por aqui normalmente é feito semanalmente, ou a cada duas semanas (biweekly).  Descontos para quem ganha salário mínimo são muito pequenos, e ainda pode-se pedir a restituição de imposto de renda entre abril e maio.

O trabalho

O trabalho não poderia ser mais fácil: trazer um carrinho cheio de mercadorias do estoque e distribuir pelas prateleiras de “Grocery”. Até me preocupei, no início, se seria um trabalho muito pesado, corrido, mas na verdade nem muito peso é preciso carregar. A grande dificuldade de trabalho foi achar o local dos produtos. Ninguém para pra pensar na quantidade de itens diferentes em um hipermercado. Mas aqui no Canadá, em especial em New Brunswick, ninguém corre muito não. Dá pra trabalhar com calma na maioria dos empregos. É preciso até fazer um esforço para deixar pra trás os hábitos do Brasil.

A interação com os clientes é sempre a mesma:

— Oi, sabe onde posso encontrar esse ou aquele produto?

— Hmm, sou novo aqui, não sei, mas posso ajudar a procurar.

— Ahh, deixa, eu dou uma volta e acho, nem se preocupa.

Depois comecei a lembrar o lugar das coisas, mas não fiquei lá tempo suficiente pra aprender tudo.

IMG_7123

Atlantic Superstore

Ali eu percebi como há muita gente que fala francês aqui na região. Tudo bem que é o francês daqui, que eles chamam de chiac, cheio de palavras em inglês no meio, mas é francês.

Eu já venho estudando francês por conta própria há um bom tempo e queria aproveitar pra praticar, só que quase todo mundo que fala francês aqui é bilíngue, e fala também o inglês. O que acontece é que, como sou um iniciante tentando falar francês, quando eles percebem a dificuldade, já trocam naturalmente para o inglês. Como as interações ali eram muito rápidas e nunca encontrei ninguém que falasse só francês, apesar de saber que eles existem em NB, não tive chance de praticar.

Fiquei pouco mais de 3 meses trabalhando no Superstore. Meu segundo e atual emprego é em uma loja de roupas e materiais esportivos que lembra a Centauro no Brasil. Nessa sim tive por um processo seletivo completo, sendo entrevistado pelo RH e depois gerente, duas vezes antes de conseguir a vaga, mas isso é assunto para um próximo post em que vou comentar sobre aplicação,  processo seletivo e as perguntas de entrevista.

Deixe um comentário

15 Comentários em "Primeiro emprego no Canadá"

Notificar
avatar
Andrea
Visitante

Olá, tudo bem? Você acha tranquilo conciliar o trabalho e o estudo ao mesmo tempo? Não fica muito puxado?

Valmir
Visitante

Daniel, fiquei muito feliz com o seu relato de experiência. Parabéns! Torcendo por aqui para que tudo dê certo para vocês! Grande abraço!

Alexandre
Visitante

Fala Daniel, mais um bom post do excelente blog de vocês.
Não sei se você vai abordar esse tema no seu próximo post, mas gostaria de saber se também há vagas full-time nessas grandes redes e se pagam um pouco melhor do que o salário mínimo…
Minha ideia atual seria arrumar um emprego mais simples como estes citados por você para conseguir uma fluência melhor, entender a rotina e como funciona o mercado canadense (sou formado em marketing) e depois sim procurar empregos melhores…
Obrigado!

Sam
Visitante

Muito bom! Obrigada por compartilhar! qual seu curso na NBCC?

Daiane Delboni
Visitante

Boa tarde!! Adorei seu post e estou buscando informações sobre os Colleges em NB… Encontrei seu blog no “wiskycomgelo” e tem me dado clareza na busca por decidir a melhor província… relação custo/benefício. Você falou que trabalha part-time…. uma dúvida: Você faz college e tem direito ao part-time? Digo, porque até onde li (no meu caso vou com meu marido, eu estudo e ele trabalha) só o conjugue pode trabalhar… Então, fiquei na dúvida quando li seu relato. Obrigada Desde já!!!

Andressa
Visitante

Amigo, comecei a cogitar New Brunswick hoje, gostaria de saber na hora de pegar o visto de estudante, quanto vocês tiveram que comprovar de grana? É o valor do curso? Ou valor do curso mais custo de vida? Para quanto tempo? 6 meses ou 1 ano? Porque estou em dúvida se o que temos guardado vai dar o suficiente já que somos eu meu esposo e nossa bebê. Ficaria muito grata se vc me ajudasse pois estou assistindo videos e videos e o pessoal não deixa muito claro essa questão de grana.
Deus o abençoe

Marcello Bressan Emidio
Membro

Muito bom o post, Daniel! Só acho que vocês deveriam aparecer mais! Aqui parece até um blog de uma empresa. Mas desculpem o comentário! Foi para contribuir mesmo!

Ale
Admin

Valeu Marcello! Todas as sugestões são muito bem vindas!

wpDiscuz